Preso comparsa do bandido mais procurado do Rio

Anderson de Oliveira Sant?Anna, o Anderson Negão, líder do tráfico de drogas na favela Vila Ipiranga, em Niterói, no Grande Rio, e um dos criminosos acusados de envolvimento com policiais do batalhão da PM do município com traficantes, foi preso nesta segunda-feira de manhã em Campo Grande, na zona oeste do Rio.Ele é considerado o homem de confiança de Paulo César da Silva Santos, o Linho, o bandido mais procurado do Rio, em Niterói. Negão é considerado peça-chave nas investigações que apuram a conivência de policiais do 12º batalhão da PM com traficantes, homicídio e extorsão.Ele lidaria diretamente com os PMs, que recebiam propina para proteger os bandidos. Já foram presos dezoito policiais, que atuavam no bairro do Fonseca, onde fica a Vila Ipiranga. Escutas telefônicas mostraram que eles negociavam com criminosos a venda de armas e drogas apreendidas em operações. Foram três meses de investigações.O traficante foi detido por policiais da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE) por volta das 7h30, na casa da namorada, na Estrada do Mendanha. Não estava armado nem reagiu à prisão. A polícia havia recebido informações sobre o paradeiro do traficante havia duas semanas.Ele já fora preso em julho deste ano por tráfico de drogas, mas conseguiu um habeas-corpus e não ficou preso nem quatro meses. De acordo com a chefe do setor de investigações da DRE, Marina Magessi, o bandido já trabalhou para Elias Pereira da Silva, o Elias Maluco, principal acusado do assassinato do jornalista Tim Lopes. Mas descumpriu uma ordem dele para matar uma família da favela e se voltou contra a facção criminosa a que pertencia, o Comando Vermelho.Negão, então, matou todos os integrantes da boca-de-fumo e entrou para o Terceiro Comando. ?Ele tem mais de 30 mortes nas costas. Matou 20 num só dia?, disse Marina. A policial afirmou ainda que Negão é o homem forte de Linho em Niterói. Linho é o líder do Terceiro Comando.

Agencia Estado,

09 de dezembro de 2002 | 18h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.