Agepen
Agepen

Preso é decapitado durante motim em penitenciária de Mato Grosso do Sul

Corpo de José Alécio dos Santos, de 35 anos, foi encontrado em unidade de Dourados após rebelião de sete detentos que se diziam ameaçados por facção

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

24 Fevereiro 2017 | 14h56

SOROCABA - Um preso foi decapitado por outros detentos durante um princípio de rebelião, nesta sexta-feira, 24, na Penitenciária Estadual de Dourados, em Mato Grosso do Sul. A unidade está superlotada com 2,2 mil detentos, mais do que o dobro da capacidade.

Sete presos de uma cela da área disciplinar se amotinaram e tomaram outros dois detentos como reféns. Eles se diziam ameaçados por uma facção e queriam a transferência. Com a confusão, presos de outras celas começaram a fazer barulho e bater nas grades.

O presídio foi cercado pela Polícia Militar. Policiais militares e agentes penitenciários negociaram ao libertação dos reféns. Um representante da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) participou das negociações. Quando os presos decidiram se entregar, os agentes entraram na cela e encontraram o corpo do detento José Alécio dos Santos, de 35 anos, decapitado.

De acordo com a Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen), o preso morto estava havia oito anos na prisão cumprindo penas por homicídio, roubo e tráfico de drogas.

Os sete detentos foram levados para a 2ª Delegacia da Polícia Civil e seriam transferidos para unidades prisionais de Campo Grande, capital do Estado. A transferência foi uma das condições dos detentos para encerrar o motim.

Ainda segundo a Agepen, os envolvidos no motim ficarão isolados. Entre os transferidos está o detento Rogério Lourenço dos Santos, que assumiu a autoria do assassinato do colega. Ele responderá pelo crime de homicídio. 

A agência declarou que a ação foi um fato isolado e que não há informações de que os presos sejam ligados a facções. As circunstâncias do motim serão apuradas, e o homicídio será investigado pela Polícia Civil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.