Preso é executado por colegas em cadeia de Sorocaba

O preso Anderson Fernandes Trindade, de 19 anos, foi executado com facadas e golpes de estilete por outros detentos, durante o banho de sol, ontem, no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Sorocaba, a 92 quilômetros de São Paulo. O crime aconteceu logo após a abertura da ala A, que abriga a metade dos 600 detentos. Os próprios presos avisaram os carcereiros sobre a morte de Trindade. Ele foi encontrado com um estilete atravessado na barriga e uma faca fincada na garganta. À faca estava preso um bilhete, com letras recortadas de uma revista, com a mensagem "rato de mocó". Segundo a direção do CDP, o crime não está ligado à disputa entre as facções existentes da cadeia. Trindade teria sido executado provavelmente porque furtou alguma coisa de outro preso o que, pela lei do sistema prisional, equivale a uma sentença de morte. Anderson tinha sido condenado pela Justiça de Ibiúna a cinco anos e quatro meses de reclusão por roubo e aguardava a transferência para um presídio. Após a morte, a administração do CDP pediu reforço à Polícia Militar para realizar uma revista nas celas. Os presos ameaçavam rebelar-se por ter sido interrompido o banho de sol. Com o assassinato do detento, Sorocaba já acumula 36 homicídios este ano. A média, de dois homicídios a cada três dias, é a maior já registrada na cidade de 495 mil habitantes. Em todo o ano passado, ocorreram 109 assassinatos, com média de um a cada 3,3 dias. No ano anterior, foram registrados 79 homicídios, um a cada 4,6 dias. Se a média das primeiras sete semanas de 2001 for mantida, a previsão é de que o total de crimes desse gênero seja superior a 180 este ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.