SAMU
SAMU

Preso é internado após engolir cinco celulares em Minas

Após retornar da saída do Dia das Mães, ele continuou com os aparelhos no organismo até passar mal. Estado de saúde é considerado grave

Rene Moreira, Especial para O Estado

18 Maio 2018 | 11h45
Atualizado 18 Maio 2018 | 17h46

FRANCA - Um detento do presídio de Formiga, centro-oeste de Minas, precisou ser levado nesta quinta-feira, 17, para um hospital de Belo Horizonte para um atendimento de emergência por um motivo inusitado. Após passar mal na unidade prisional, Riverson Costa Fernandes, de 31 anos, confessou que aproveitou a saída do Dia das Mães no último final de semana e engoliu cinco celulares. Como voltou à cadeia e não conseguiu expelir os aparelhos, pediu ajuda médica.  O estado de saúde dele é considerado grave.

Um raio-X feito numa Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) da cidade confirmou a presença dos telefones no corpo do preso. "Com o exame, conseguimos ver os aparelhos no estômago dele", explicou o médico Vladimir Moreira, que fez o atendimento ao detento na UPA.

+++ Aluno de 12 anos morre após ser atingido por trave de gol em GO

Devido à gravidade do caso, Fernandes teve de ser transferido para o Hospital de Pronto-Socorro João XXIII (HPS), na capital Belo Horizonte, onde permanece internado. O detento reclamava de dores abdominais e náuseas, apresentando ainda quadro de vômito. Ele contou que, além dos celulares, engoliu também dois carregadores. 

+++ Mais uma pessoa morre com suspeita de raiva no Pará

Transferência

Dois agentes e um médico acompanharam o preso na ambulância do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) de Formiga até o hospital em Belo Horizonte, a quase 200 quilômetros de distância. 

A Secretaria de Estado de Administração Prisional informou que a transferência aconteceu porque "as unidades locais de saúde não conseguiram realizar os procedimentos necessários". E que o preso está "sob escolta aguardando o procedimento médico devido". 

O detento, que cumpre pena por tráfico de drogas, está entubado no CTI (Centro de Terapia Intensiva) e seu estado é considerado grave. Uma cirurgia terá de ser realizada para a retirada dos outros aparelhos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.