Polícia Civil de Goiás
Polícia Civil de Goiás

Preso em Goiânia homem que seduzia mulheres para aplicar golpe

Suspeito conhecia as vítimas pela internet, se apresentava como empresário de turismo e mantinha com elas um relacionamento amoroso; depois, pedia dinheiro

Marília Noleto, O Estado de S.Paulo

03 Outubro 2018 | 22h07

GOIÂNIA - A Polícia Civil de Goiás prendeu um homem que seduzia mulheres para extrair dinheiro. Segundo as investigações, o motorista Jales Pereira de Aguiar, de 50 anos, teria aplicado o golpe em oito vítimas em Goiás e em outros Estados.

O suspeito conhecia as vítimas pela internet, se apresentava como empresário de turismo e mantinha com elas um relacionamento amoroso. Após sentir que havia conquistado a confiança das parceiras, começava a pedir dinheiro. No início, pequenas quantias, como revela uma das mensagens trocadas pelo celular. "Mô (sic), estou com uma emergência aqui, não sei se você pode me ajudar. Estava precisando de R$ 300, será que é possível?".

Os pedidos e as mentiras evoluíam até o golpe efetivo. Uma das vítimas foi uma médica de Goiânia, viúva de 56 anos, que amargou, além da decepção, um prejuízo mais de R$ 350 mil. A mulher chegou a desembolsar R$ 17 mil para o vestido de noiva e marcou até lua-de-mel em Paris para celebrar o suposto casamento.

O relacionamento durou de mais de um ano, até que Aguiar desapareceu, alegando estar sendo ameaçado por causa de dívidas. Enganada, a mulher fez depósitos para ajudá-lo. As supostas ameaças nunca existiram e Aguiar usava o dinheiro obtido com as vítimas para programas e viagens com a verdadeira mulher e os filhos.

Outra vítima, uma empresária de Brasília, foi lesada em cerca de R$ 30 mil. “Ele destruiu meu lado emocionou. Estava recém-separada, fragilizada.”

O delegado à frente do caso, Valdemir Pereira, afirmou que a polícia investiga se a família de Aguiar tem participação nos crimes. “Temos conversas entre a vítima e o indicado, e também entre uma das vítimas e a namorada dele (de Aguiar). Inclusive ela (a namorada) ‘curtindo’ com a cara dela (da vítima), dizendo que estavam gastando o dinheiro que havia dado para o namorado”, detalhou o investigador.

Mais conteúdo sobre:
Goiás [estado]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.