Preso empresário acusado de grilagem de terras em Ilhabela

Depois de sete anos fugindo da polícia, o empresário Edson Pombo, foi preso no bairro Pompéia, em São Paulo. Ele é acusado pelo Ministério Publico de liderar uma quadrilha que grilava terras em Ilhabela, litoral norte paulista. Os policiais de Ilhabela investigavam o paradeiro do empresário há anos e conseguiram localizar o apartamento onde ele mantinha um escritório. A prisão aconteceu ontem."Os promotores apreenderam documentos que também serão investigados e podem servir de provas", informou o delegado Vanderlei Pagliarini de Almeida Filho. De São Paulo, o empresário seguiu para Ilhabela, onde prestou depoimento por uma hora e meia. "Ele doura a pílula e eu me reservo ao direito de não acreditar em nada do que ele me disse", contou o delegado, informando que o empresário havia contado, no depoimento, que apenas ajudava as pessoas que tinham o direito possessório às áreas, negando qualquer participação em grilagem de terras. "Ele conta uma história, que conheceu as pessoas envolvidas e apenas as orientou quanto à posse das terras, mas não convence", diz Almeida Filho. Pombo usava nome e documentos falsos para driblar a polícia e, por isso, também está sendo indiciado por formação de quadrilha, falsidade ideológica, falsificação de documentos e ainda responde a cinco inquéritos por grilagem de terra e tentativa de homicídio. "Os inquéritos devem ser concluídos em junho". De acordo com as investigações, há outras duas pessoas indiciadas no esquema que usava escrituras falsas de terrenos, registradas em nome de pessoas desconhecidas e depois repassadas para o nome do empresário. "Um dos bairros de Ilhabela, o Rodamonte, ele quis grilar praticamente inteiro, cerca de cem alqueires", revelou o delegado. Pombo, que não tem curso superior, vai ficar preso em cela com outros presidiários na cadeia publica de São Sebastião, que tem capacidade para 60 pessoas e hoje tem 240.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.