Preso empresário investigado pela CPI do Roubo de Carga

Foi preso, no final da noite de ontem, por agentes da equipe 20 do Grupo de Operações Especiais (GOE), da Polícia Civil, o empresário Ary Natalino da Silva, proprietário da Petrofort, a terceira maior distribuidora de combustíveis do país.Natalino estava sendo procurado desde o dia 23 de março deste ano, após um juiz da 2ª Vara Cível de São Carlos, interior do Estado, expedir mandado de prisão do empresário, que responde aa pelo menos 27 inquéritos policiais, sob a acusação de vários crimes.Após denúncia anônima, agentes do GOE encontraram Natalino no interior do restaurante Pandoro, localizado na avenida Europa, região dos Jardins, zona sul da capital paulista. O empresário, acompanhado por 3 amigos, cujos nomes não foram divulgados, foi levado para o 15º Distrito Policial, do Itaim Bibi, onde o delegado Artur Jorge Dian elaborou um boletim de ocorrência de recaptura de foragido."É uma perseguição. Ao entrar no restaurante eu encontrei com dois parentes da alta cúpula da Secretaria de Seguraça Pública" do Estado de São Paulo, afirmou o empresário. Apesar de dizer que iria passar à noite na sala do delegado, Natalino já estava sendo encaminhado para uma das celas da delegacia.AcusaçõesNatalino é acusado pela CPI de envolvimento com o roubo e receptação de cargas, adulteração de combustíveis, produção ilegal de cigarros e falsidade ideológica - algumas de suas empresas figuram como sendo de pessoas já mortas. Ele possui mais de 200 empresas de combustível, gás, medicamentos, indústrias químicas, postos e restaurantes.O empresário começou na vida como vendedor de sorvetes. Foi carpinteiro, dono de bazar e supermercado. Em 1985 entrou no ramo dos combustíveis. Hoje, aos 45 anos, acumula um patrimônio de mais de R$ 500 milhões. De acordo com as investigações da CPI do Roubo de Cargas, grande parte de seu patrimônio está em nome de "laranjas" ou fantasmas.A própria Petrofort está registrada no nome da ex-mulher e da cunhada.Natalino figura também como o maior devedor do Imposto de Renda em São Paulo, informação que a Receita não confirma por envolver dados pessoais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.