Preso enforca mulher durante visita conjugal

Uma mulher grávida de quatro meses foi encontrada morta por enforcamento hoje em uma cela da Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, região metropolitana de Belo Horizonte. Segundo a direção do presídio, Arlinda Helena Lima, de 29 anos, foi assassinada pelo marido, o preso Márcio de Souza, de 30, condenado a nove anos por homicídio. Souza, que estava na cela com Arlinda desde domingo, quando ela chegou para a visita conjugal durante o feriado de Carnaval, deixou um bilhete sobre o corpo da mulher explicando os motivos do crime. De acordo com o interno, Arlinda teria confessado a ele que não era fiel, que o filho que esperava não era dele e que costumava manter relações sexuais até com outros presos da Nelson Hungria. "Eu fiquei revoltado e perdi o controle sobre meus atos", alegou Souza, que deverá responder a novo processo por homicídio e pode ter a pena inicial acrescida de 12 a 30 anos. "Ela brincou com meus sentimentos", completou. Os agentes penitenciários que encontraram o corpo de Arlinda, por volta das 6h30, informaram que ela foi morta durante a madrugada. A vítima, que era mãe de quatro crianças de um casamento anterior, estava estendida na cela 50 do pavilhão 10 da unidade, com as mãos cruzadas sobre o peito e segurando o bilhete deixado por Souza. Ela foi enforcada com um barbante. Souza, que também estava na cela, contou que usou uma calça sobre o rosto da mulher para abafar seus gritos. Companheiras de outros detentos disseram à polícia que Souza sempre foi violento e constantemente fazia ameaças a Arlinda, por ciúmes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.