Preso fazendeiro acusado de mandante da chacina de sem-terra

O fazendeiro Adriano Chafik Luedy, de 37 anos, suspeito de ser o mandante da chacina no acampamento do MST, em Minas Gerais, se entregou à Polícia em São Paulo. Ele foi detido na noite desta terça-feira em um hotel da zona Sul da Capital paulista. A apresentação do fazendeiro foi negociada por um advogado diretamente com a Polícia Civil. Chafik está na carceragem do DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa), de onde deve ser transferido para Minas Gerais. O fazendeiro tem prisão temporária decretada pela Justiça de Jequitinhonha, cidade próxima a Felisburgo, onde ocorreu o massacre de sem-terra. Na manhã do dia 22 de novembro, um sábado, entre dez e 15 homens entraram no acampamento do MST, em área anexa à Fazenda Nova Alegria. O bando atirou, ferindo 18 trabalhadores rurais, cinco deles morreram. A quadrilha também ateou fogo nas barracas. No mesmo dia, três suspeitos de terem participado da chacina foram presos, mas negaram envolvimento. A Justiça expediu mandados de prisão temporária para mais oito pessoas, que estão sendo procuradas, entre elas o fazendeiro Adriano Chafik Luedy. Um dos suspeitos do crime, Wadson Teixeira de Jesus, de 25 anos, foi solto pela Justiça. O advogado dele entregou uma fita comprovando a versão de que, no dia do crime, Wadson estava em um casamento em Itajuípe, na Bahia. Chafik e o primo dele, Calixto Luedy, são considerados pela Polícia Federal como os principais suspeitos de serem, respectivamente, o mandante e o principal executor dos assassinatos. Os cerca de 300 sem-terra têm permissão da Justiça para se manter nas terras anexas à fazenda Nova Alegria. O governo de Minas Gerais alega que as terras são devolutas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.