Preso ganha carro do PCC em rifa na cadeia

Deu gato na cabeça. Mas o prêmio não saiu para o apostador da Loteria Federal, Lotomania ou Mega-Sena. O acertador da milhar 49.556 foi um preso da Penitenciária Adriano Marrey, em Guarulhos, região metropolitana de São Paulo. Ele ganhou um Corsa Sedan 1.0, prata, modelo 2001, avaliado em R$ 15 mil. O carro foi sorteado em uma rifa organizada pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), a principal facção criminosa de São Paulo. Os organizadores da rifa do PCC distribuíram 5 mil cupons para seus integrantes presos em regime fechado em todas as penitenciárias controladas pela facção no Estado. Segundo o Grupo de Atuação Especial e Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público Estadual (MPE), a organização criminosa domina 90% dos 47 presídios de regime fechado. Cada cupom foi vendido a R$ 10. Foram arrecadados R$ 50 mil. Um dos líderes do PCC preso na Penitenciária do Estado, no Carandiru, Zona Norte de São Paulo, contou que o dinheiro arrecadado vai ser usado na compra de cestas básicas e no pagamento das despesas dos ônibus que transportam parentes de detentos para os anexos da Penitenciária de Avaré e do Centro de Readaptação Penitenciária (CRP) de Presidente Bernardes, no Interior. Nessas duas unidades, estão os homens do primeiro escalão da facção. Mulheres de presos ganharam cupons Para as mulheres dos presos dos anexos de Avaré e de Presidente Bernardes - onde funciona o Regime Disciplinar Diferenciado (RDD) -, os cupons foram distribuídos gratuitamente. O sorteio correu pela Extração 3818 da Loteria Federal, em 20 de março. O cupom com o número do primeiro prêmio, 49.556, cuja dezena é do grupo do gato, saiu para o detento identificado como Tiozinho. Ele cumpre pena por roubo na Penitenciária Adriano Marrey. O segundo prêmio dava direito a uma TV de 29 polegadas, também rifada pelo PCC. O número sorteado foi 62.144. A dezena é do grupo do cavalo. O acertador foi um preso da Penitenciária do Estado. Mas ele não levou o prêmio por um simples motivo: deixou de pagar os R$ 10 do cupom. A TV foi doada para a família de um preso do CRP de Presidente Bernardes. Ainda segundo o líder do PCC preso na Penitenciária do Estado, a facção criminosa distribui cestas básicas para as famílias carentes dos detentos dos anexos de Avaré e do CRP de Presidente Bernardes. O presidiário afirmou também que o PCC compra, todos os anos, materiais escolares para os filhos dos presos dessas duas unidades. "Em fevereiro deste ano, foram beneficiadas 270 crianças, sendo que 190 são filhos de presos de Avaré e 80, de detentos do CRP de Presidente Bernardes", contou o presidiário. Os presos de Avaré e do CRP recebem uma espécie de ajuda de custo mensal de R$ 150. O PCC também paga o aluguel das famílias mais pobres. No Natal de 2003, a facção criminosa distribuiu brinquedos para os filhos desses mesmos detentos. O líder do PCC contou ainda que o Corsa Sedan foi cedido à organização criminosa por um simpatizante do grupo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.