Preso grupo que levava brasileiros para trabalho ilegal nos EUA

Onze foram detidos em 4 Estados acusados de integrar quadrilha que fraudava vistos para emprego temporário

Solange Spigliatti, da Central de Notícias,

07 de dezembro de 2009 | 13h53

Onze pessoas foram presas nesta segunda-feira, 7, acusadas de integrar uma quadrilha internacional que fraudava o sistema de concessão de vistos para trabalho temporário nos Estados Unidos desde 2002. A estimativa é que o grupo tenha arrecadado R$ 90 milhões em 7 anos.

 

Veja também:

especialMapa das relações de visto com o Brasil

 

Os suspeitos foram presos por autoridades brasileiras e norte-americanas em São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Santa Catarina. No Mato Grosso, foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão e nos Estados Unidos foram realizadas buscas por provas.

 

Segundo o Ministério Público Estadual de São Paulo, cerca de 4.500 brasileiros foram vítimas do esquema de fraude que além de fornecer o visto de trabalho falso prometia colocação no mercado de trabalho americano mediante o pagamento de até US$ 15 mil. O crime também foi detectado em países como Rússia, República Dominicana, Filipinas, Romênia e Emirados Árabes, mas a fraude nesses países não foi alvo desta investigação.

 

A apuração começou em 2003 quando o setor antifraude do Consulado dos EUA em São Paulo detectou irregularidades. Em 2008, o consulado acionou o Ministério Público de São Paulo, que passou a coordenar a investigação. No mesmo ano foi criada uma força-tarefa composta pela Secretaria de Segurança Pública do estado de São Paulo, Ministério Público, Poder Judiciário, Consulado dos EUA, Receita Federal e Secretaria da Fazenda do estado de São Paulo, para trabalhar no caso.

 

O trabalho conjunto das autoridades dos dois países foi possível graças ao Acordo de Assistência Judiciária em Matéria Penal (MLAT, na sigla em inglês). Este trabalho incluiu o compartilhamento de informações entre o GAECO (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) de Guarulhos e a Promotoria de Orlando, o que permitiu atividades simultâneas nos dois países.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAvisto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.