Preso mais um condenado pela chacina de Vigário Geral

Condenado pela participação da chacina de Vigário Geral, o ex-policial militar Arlindo Maginário Filho, que aguardava novo julgamento em liberdade, saiu preso hoje do II Tribunal do Júri. O juiz Luiz Noronha Dantas decretou a prisão porque o advogado dele, Walter Baptista dos Santos, não compareceu, o que foi entendido como uma tática para adiar a sessão. Segundo o juiz, o réu chegou mais de 20 minutos atrasado e afirmou que não conhecia seu advogado. Dantas acredita que tudo foi combinado para que ele não fosse julgado e possivelmente condenado. ?Não se pode assistir passivamente a esta chicana. A prisão preventiva é um sinal de que este tribunal não admite tais expedientes, nem os premia com a impunidade?, disse o juiz.Em 1997, o ex-PM foi condenado a 441 anos de prisão pela morte de 21 moradores de Vigário Geral e tentativa de homicídio de outros quatro. O Supremo Tribunal Federal (STF) reduziu a pena para 77 anos e permitiu que ele esperasse pelo o novo júri (ao qual tem direito porque sua condenação foi superior a 20 anos) em liberdade. O julgamento foi remarcado para 14 de novembro. Se o advogado faltar de novo, um defensor público o substituirá.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.