Divulgação/Polícia Civil do Maranhão
Divulgação/Polícia Civil do Maranhão

Preso pai que abusava de filha em cárcere privado há 16 anos no MA

Hoje com 28 anos, vítima teve sete filhos com o pai; prisão aconteceu após denúncia anônima

Solange Spigliatti, do estadão.com.br

09 de junho de 2010 | 13h00

SÃO PAULO - O lavrador José Agostinho Bispo Pereira, de 54 anos, foi preso em flagrante na tarde desta terça-feira, 8, acusado de abusar sexualmente de sua filha há 16 anos e mantê-la em cárcere privado, no município de Pinheiro, no interior do Maranhão.

 

Além de ser abusada pelo pai desde os 12 anos, hoje ela tem 28, a vítima teve sete filhos com o pai. Segundo a delegada Adriana Costa Meireles, responsável pela prisão, uma dessas netas também disse ter sido molestada por Pereira.

 

A prisão aconteceu a partir de uma denúncia anônima, há cerca de duas semanas, durante uma passeata contra pedofilia feita na cidade. "Com a denúncia, começamos a investigar e chegamos à casa de Pereira, por volta das 17h30 de ontem", explica.

 

A vítima e seis dos sete filhos, de 4, 5, 7, 8, 12 anos e uma de dois meses de idade, eram mantidos em cárcere privado e estavam desnutridos e sem roupa quando os policiais chegaram à casa, na zona rural da cidade. Um bebê recém-nascido havia sido doado, segundo a delegada.

 

"Eles eram pescadores e lavradores e se alimentavam do que produziam. A casa fica distante do povoado e quase não saíam. Os vizinhos estranhavam a vítima aparecer grávida, já que ela nunca saía, mas sempre davam desculpas sobre a gravidez", explica Adriana.

 

Pereira era separado da mãe da vítima, que mora em São Luís. A vítima tem outra irmã e dois irmãos, que não moravam junto com o pai. Segundo depoimento de Pereira, "ninguém nunca soube sobre o que acontecia na casa".

 

De acordo com a delegada, a neta foi levada para fazer exame de conjunção carnal. As outras crianças e a mãe foram levadas para o hospital da cidade para passar por exames, já que todos foram encontrados sujos e desnutridos.

Tudo o que sabemos sobre:
Maranhãocárcere privadofilha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.