Preso seqüestrador que participou da morte de diretor de presídio

O seqüestrador Marcos Silva, de 33 anos, conhecido como Marcos Babão, foi preso na tarde de quinta na cidade de Maringá, no Paraná. Fugitivo da cadeia pública de Jacareí há um mês e apontado como o líder do seqüestro de um adolescente em Taubaté, há 40 dias, Babão foi localizado pela equipe de policiais da Delegacia Anti-Seqüestro do Vale do Paraíba. Segundo investigações, Babão, que integra a cúpula do PCC, também teria participado do assassinato do ex-diretor da Casa de Custódia de Taubaté, José Ismael Pedrosa, em outubro passado.Ele estava em um hotel localizado na região central de Maringá há uma semana e segundo os funcionários do hotel, havia pago as diárias adiantadas. Depois de seqüestrar o estudante Herber Batista Faria, de 16 anos, em novembro do ano passado, em Taubaté, Babão recebeu cerca de R$150 mil como resgate, mas acabou preso pela polícia.Na cadeia pública de Jacareí pagou para que um carcereiro abrisse a cela e o deixasse fugir. Na fuga o seqüestrador quebrou a perna, passou por uma cirurgia em São Paulo e foi se esconder em algumas cidades do Paraná. Nos planos de Babão, em Maringá ficaria por pouco tempo, mas acabou preso. Em três viaturas descaracterizadas os policais à paisana fizeram o flagrante, por volta das 16h30 de quinta-feira, sem que o acusado tivesse qualquer reação. "Ele estava dormindo quando os policiais entraram no quarto do hotel", relatou o delegado da Anti-Seqüestro Leon Nascimento.Nesta sexta, a polícia civil confirmou que Babão, que tem participações em homicídios, roubo a bancos, tráfico de drogas e seqüestros, teria integrado a quadrilha que matou Pedrosa, por pertencer ao PCC. "Ele não confessa, mas as investigações provam que ele participou do assassinato de Pedrosa sim", enfatizou o delegado seccional de São José dos Campos, Djahy Tucci.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.