Preso suspeito de matar policial

Policiais do Setor de Investigações Gerais (SIG) da 7ª Delegacia Seccional, na zona leste de São Paulo, prenderam na manhã desta quarta-feira um suspeito de integrar uma quadrilha de ladrões de carros que matou o investigador Walmir José Lopes, de 38 anos, nasemana passada.O ex-presidiário desempregado Cristiano Galdino Rodrigues, o Gabiru, de 26 anos, foi reconhecido por três testemunhas doassassinato, ocorrido na Avenida Aricanduva. Primeiro por meio de fotos e nesta quarta-feira, pessoalmente.?Acreditamos que o restante da quadrilha está no Nordeste. Já temos pistas e até provas; prender os outros é questão de dias?,afirmou o delegado-titular do SIG, Ítalo Záccaro Neto.Apesar do reconhecimento e da declaração do delegado, Gabiru negaparticipação no crime, embora reconheça que conhecia os ladrões envolvidos no crime e, uma hora após o crime, tenha viajadopara Praia Grande, no litoral sul do Estado de São Paulo.O suspeito esteve preso até janeiro, cumprindo cinco anos de reclusão por homicídio e roubo e saiu por bom comportamento. Nospróximos dias ele deve ser indiciado pelos mesmos tipos de crimes.O policial foi executado há uma semana, após prender três homens em um desmanche de veículos. Enquanto aguardavareforço, três bandidos chegaram ao local para resgatar os outros três integrantes do bando.Záccaro acredita que Gabiru estava entre eles.Houve perseguição e o policial acabou morto. Lopes ainda tentou escapar da morte com a Blazer da Polícia Civil em que levava os prisioneiros, mas não conseguiu.Foi cercado pordois criminosos, retirado do carro e executado com 16 tiros. Os bandidos libertaram seus comparsas, presos pelo investigador epor seu colega, o policial José Roberto Vergal, ambos da 5ª Delegacia Seccional de São Paulo.Lopes, casado e pai de umacriança de 1 ano, ainda implorou aos bandidos, de joelhos, para que poupassem a sua vida. Vergal conseguiu escapar ileso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.