Preso suspeito de violentar mais de 18 mulheres em São Paulo

Com uma carteira de documentos embaixo da camisa simulando uma arma, José Ulisses de Souza Bernardo, de 24 anos, seguia as mulheres da estação Carrão do metrô, na zona leste de São Paulo, até os pontos de ônibus, as ameaçava de morte e as estuprava em terrenos da Radial Leste, na zona leste.Em menos de um ano, Bernardo, pernambucano de Garanhuns, conhecido por Aldinho e morador de Cidade Tiradentes, na zona leste, teria atacado cerca de 30 mulheres. "Já temos certeza de 18 e acreditamos que o número subirá. Muitas vítimas que não foram estupradas, só molestadas, por vergonha, não procuraram a polícia", disse o delegado Mário Carvalho, do 30º Distrito Policial, do Tatuapé.Há um mês como titular do DP, Carvalho passou a analisar os casos pendentes e ficou impressionado com o número de registros de mulheres vítimas de estupro e atentado violento ao pudor. Ele determinou que os crimes fossem apurados com prioridade. As vítimas começaram a ser ouvidas novamente. A primeira queixa foi em novembro do ano passado.Nos 18 registros, a descrição do autor dos assaltos, seguidos de estupro ou atentado violento ao pudor, era sempre a mesma: negro, forte, jovem, arma embaixo da camisa. Ele agia entre 20 e 22 horas, no trajeto do metrô até os pontos de ônibus. As vítimas foram levadas para terrenos da Radial Leste próximos da linha do trem.Bernardo foi preso na noite de terça-feira por policiais militares após atacar a babá A.S.P., de 23 anos, tentar estuprá-la e roubar a bolsa com documentos e R$ 2. Ela saíra do metrô e caminhava para o ponto de ônibus quando foi abraçada por Bernardo, que mostrou o "volume" embaixo da camisa como se fosse um revólver e a avisou que a mataria se gritasse ou tentasse correr.Uma balconista que estava perto da babá desconfiou que não se tratava de namorado e saiu em busca de PMs. Encontrou dois soldados e indicou a direção tomada pelo casal. Bernardo recebeu voz de prisão quando obrigava a moça a tirar a roupa. Fugiu com a bolsa da vítima e foi alcançado. No 30º DP disse ao delegado que, desde o fim do ano passado, vem assaltando e estuprando. "Ele disse que ´uma força maior´ faz com que, além de roubar, passe a abusar das vítimas. Contou ter atacado também no Parque d. Pedro II", afirmou Carvalho.Morando com a mãe num apartamento de quarto e sala, Bernardo informou aos policiais civis que está em São Paulo desde o começo de 2001 e trabalha como carregador no Mercado Municipal. Autuado por assalto e atentado violento ao pudor, foi reconhecido hoje por quatro vítimas localizadas pela polícia e levadas ao DP. Todas tiveram dinheiro e documentos roubados. A babá disse ter implorado para que nada fizesse. Ele reclamou que havia pouco dinheiro, apertou o pescoço dela com as duas mãos e avisou que a mataria, se dificultasse "as coisas".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.