Presos 2 suspeitos do seqüestro de Patrícia

A polícia identificou e prendeu dois suspeitos do seqüestro de Patrícia Abravanel. São ladrões da zona sul da capital, que fazem parte de uma quadrilha que se especializou em seqüestros. Outros dois criminosos foram identificados através da pesquisa das impressões digitais coletadas pelos peritos do Instituto de Criminalística (IC) no Corsa Wind deixado pelos seqüestradores em frente da casa de Silvio Santos, no Morumbi.O Corsa tinha sido roubado no dia 8 nas imediações das Faculdades Integradas Alcântara Machado (Fiam), no mesmo bairro. Os peritos trabalharam durante várias horas examinando em detalhes o interior do carro.A equipe do IC enviou o material coletado para o Instituto de Identificação Ricardo Gumbleton Daunt, da Polícia Civil. Os funcionários do Instituto realizaram um confronto das digitais recolhidas no Corsa com as de um grupo de ladrões da zona sul já processados em vários seqüestros. Os peritos do Instituto de Identificação enviaram relatório com os nomes dos dois suspeitos para a Delegacia Especial Anti-Seqüestro (Deas), cujo titular, Wagner Giudice, comanda a investigação do caso Patrícia. A determinação da chefia da Polícia Civil foi para que, se localizassem os dois, delegados e investigadores da Deas não os prendessem. Deveriam monitorá-los e tentar uma ação mais efetiva apenas depois de a filha de Silvio Santos ser liberada e entregue à família. E foi o que ocorreu. Patrícia chegou em casa e os suspeitos que estavam sendo observados foram presos em seguida.Os ex-funcionários da residência do apresentador e dono do SBT também estão sendo investigados. A suspeita é que poderiam ter passado informações dos hábitos de Patrícia para os ladrões. ?Não podemos desprezar nada?, disse um dos delegados envolvido na apuração.Retrato FaladoOutra providência da Deas foi mostrar ao vigia da casa do apresentador, José Isaldimiro Ramos da Silva, álbuns com fotografias de seqüestradores da Grande São Paulo. Silva orientou a preparação do retrato falado dos dois homens que o abordaram na residência, há uma semana. Os policiais estão com os retratos desde o dia do seqüestro e a determinação da Secretaria de Estado da Segurança Pública foi para que não fossem divulgados.Policiais civis e militares reuniram-se na semana passada para traçar um plano de ação conjunta contra os seqüestros na capital. Nas últimas semanas, policiais militares das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota) e dos batalhões da zona sul localizaram diversas pessoas envolvidas em seqüestros. No caso de Patrícia, o temor das autoridades era que o cativeiro da filha de Silvio Santos fosse descoberto e, numa possível troca de tiros, a estudante corresse perigo. A orientação foi para que a Polícia Militar trabalhasse em conjunto com a Deas.EscolaDurante a apuração do caso Patrícia, os 50 investigadores e 5 delegados da Deas foram chamados para atender outras quatro ocorrências como o seqüestro de três crianças, de um empresário e de um industrial. As crianças foram levadas das proximidades de uma escola na zona sul da capital. Duas são filhas do proprietário de uma construtora. Elas e um colega foram levados por quatro homens que atacaram o carro dirigido pela mulher do empresário.A Deas se recusou a dar informações sobre o seqüestro. Um policial explicou que as mães dos alunos se revezavam para levar e pegar as crianças na escola. O bando esperou na saída do colégio, seguiu o carro e fez a abordagem assim que a motorista parou no semáforo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.