Presos 52 acusados de vender drogas em escolas de SP

Em uma megaoperação que começou na terça-feira e terminou nesta quinta-feira , em 102 escolas da capital paulista que enfrentam problemas com o tráfico de drogas, 150 policiais do Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc) prenderam 52 pessoas. Elas são acusadas de vender crack, maconha e cocaína para estudantes de escolas do ensino médio e fundamental e de duas faculdades.Foram apreendidas uma submetralhadora, três revólveres, muita droga e munição. Houve tiroteio na frente de dois colégios. Nenhum traficante considerado "grande" pela polícia foi detido. "Pegamos os passadores e, com as informações deles, vamos atrás dos fornecedores", disse o diretor do Denarc, Ivaney Cayres de Souza.Os policiais estiveram primeiro nas 87 escolas relacionadas como as mais críticas pela Divisão de Inteligência. Depois, percorreram outras 15 localizadas em bairros próximos. "Vamos voltar a cada 15 dias", disse Souza.Cezar Augusto Baltazar, de 24 anos, integrante do Primeiro Comando da Capital (PCC), foi preso vendendo cocaína para estudantes da escola municipal de ensino fundamental (Emef) Albino Cesar, no Tucuruvi, zona norte. Além de cocaína, os policiais apreenderam com ele, que está em liberdade condicional uma carta de ingresso ao PCC assinada pelo "padrinho" Ciro Ricardo Correia, o Indio Coban, ladrão de bancos que cumpre pena em Itapetininga. "É meu salvo-conduto. Estou contribuindo com a irmandade e prometeram que me dariam proteção", disse Baltazar, autuado por tráfico como os demais detidos.Um menor de 16 anos foi preso vendendo maconha e crack para os alunos da escola municipal de deficientes auditivos Madre Emeda Lucie Bray, na zona sul. C.V.C. estava ao lado do colégio e disse aos policiais que costuma pegar pedras de crack para revender de um homem no Jardim Miriam.Fernanda Silva Assunção, de 25 anos, foi presa com a filha de 6 meses no colo, na frente da escola estadual de ensino fundamental Humaitá, no Jabaquara, na zona sul. Os policiais tinham a indicação que ela vendia crack para alunos. Os investigadores encontraram 20 pedras da droga na fralda da filha.Já na Rua Maria Antônia, perto da universidade Mackenzie no centro, foram presos José Lourenço Peixinho e Roberto Trindade Rodrigues, também acusados de vender cocaína para estudantes. No colégio Pedro Kalil, em Americanópolis, zona sul, foi preso André Ricardo Santos Soares. Outros dois traficantes, que fugiram, derrubaram o muro dos fundos do local para entrar e vender cocaína.

Agencia Estado,

22 de agosto de 2002 | 21h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.