Presos 9 suspeitos de envolvimento com PM que morreu ao roubar carro no Rio

Cabo cúmplice e outros 8 agentes teriam tentado acobertar policial baleado em troca de tiros na madrugada

Pedro Dantas, O Estado de S.Paulo

18 Novembro 2010 | 18h47

RIO - A Polícia Militar prendeu, administrativamente, nove agentes suspeitos de envolvimento no roubo, por um cabo da corporação, de um carro na Ilha do Governador, zona norte do Rio, na madrugada desta quinta-feira, 17. Por causa do crime, policiais do 17º Batalhão da Polícia Militar (BPM) trocaram tiros com o cabo Fábio Rodrigues Gonçalves, que fardado e em horário de trabalho, estava no veículo junto com o cabo Fábio Andrade da Silva, seu cúmplice. Gonçalves acabou morto após ser atingido.

 

Ambos eram lotados no 22º BPM, do Complexo da Maré. Eles deixaram de patrulhar a Linha Vermelha, a principal via expressa da cidade, para apanhar um carro roubado, em uma rua no acesso ao Morro do Dendê, na Ilha do Governador, uma das favelas mais violentas na zona norte da cidade. Além de Silva, os outros oito agentes estão sendo investigados por suspeita de tentar acobertar o crime.

 

O escândalo gerou um pedido de perdão à população do comandante-geral da PM, coronel Mário Sérgio Duarte. "Peço desculpas por condutas deste tipo que observamos em alguns policiais nas últimas semanas. Tivemos péssimos exemplos de policiais envolvidos em crimes nos últimos dias", disse Duarte. Na quarta-feira, cinco policiais militares foram presos em São Gonçalo (Região Metropolitana) sob a acusação de participação em um grupo de extermínio. Na semana passada, um cabo e um sargento em Niterói, na região metropolitana, foram presos sob suspeita de extorsão.

 

De acordo com a PM, na madrugada de ontem, a dupla de policiais do 22º BPM escondeu a patrulha no batalhão e foi em um carro particular até ao acesso ao Morro do Dendê pegar o Fox, de cor prata, roubado na semana passada na Ilha do Governador. O cabo Gonçalves assumiu a direção do veículo, que já fazia parte do cadastro de carros procurados no bairro. Uma viatura do 17º BPM da Ilha do Governador reconheceu o Fox e deu o alerta. O carro foi interceptado por uma guarnição do Grupo de Ações Táticas (GAT) e outra do Serviço Reservado.

 

Após intensa troca de tiros, que apavorou os moradores do bairro, o policial ferido parou o veículo e morreu pouco depois. O cabo Silva foi ao local ver o que aconteceu com o amigo e foi preso. Em janeiro deste ano, soldado da PM Glauco Nunes, de 30 anos, do 17º BPM, foi preso quando fazia um arrastão com dois homens, um deles menor de idade, pela zona norte do Rio.

Mais conteúdo sobre:
crime PM violência Rio Polícia Militar

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.