Presos amotinados ampliam reivindicações em Salvador

Além da volta de transferidos, rebelados pedem melhoria do serviço médico e menos rigor na revista de visita

Tiago Décimo, do Estadão,

31 Julho 2007 | 15h00

Dois dias após o início da rebelião no Presídio Salvador, na qual cinco pessoas - três agentes penitenciários e dois detentos considerados de boa conduta - são mantidas reféns de 719 presos, os amotinados resolveram ampliar a pauta de reivindicações na negociação pelo fim da manifestação. No local, ainda estão cerca de 150 familiares de presos, por vontade própria.   Além de pedir a volta de 51 presidiários transferidos, em 27 de junho, para a Unidade Especial Disciplinar (UED), onde os detentos não têm direito a visitas ou a banho de sol, os rebelados agora também pedem garantias de melhoria na qualidade dos serviços médicos e menos rigor na revista das visitas, bem como na liberação de alimentos levados por parentes.   Na negociação, a Secretaria da Justiça propôs o retorno de dez dos presos transferidos para a UED - o que foi aceito pelos amotinados, desde que, na lista, constassem os nomes de Maurício Vieira da Silva, conhecido como Maurício Cabeção, de 32 anos, e Josevaldo Bandeira, o Val, de 30 anos.   Os dois são apontados pela polícia como importantes parceiros do traficante Eberson Souza Santos, conhecido como Piti, de 27 anos. Piti, tido como um dos maiores traficantes de drogas da Bahia, fugiu do complexo em 26 de junho, o que motivou a transferência dos 51 detentos, apontados como seus comparsas para a UED, no dia seguinte. Eles deveriam ficar na unidade especial por um mês, mas continuam no local.   Como resposta à contraproposta dos rebelados, a Secretaria da Justiça divulgou a informação de que é possível ampliar o quadro de presos transferidos de volta da UED para o presídio, mas descartou o retorno dos dois presos apontados pelos amotinados. "Nós vamos escolher quem volta, se for o caso", afirma o superintendente de Assuntos Penais da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos da Bahia, coronel Francisco Leite.

Mais conteúdo sobre:
Rebelião Salvador

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.