Presos continuam rebelados em Bangu, fazendo 7 reféns

O responsável pelo policiamento no Complexo Penitenciário de Bangu Major Dayzer Corpas disse que não há previsão para o término da rebelião na Casa de Custódia Pedro Melo que começou no início da manhã de ontem. Armados de pelo menos uma pistola e um fuzil, os presos mantêm sete policiais militares como reféns. A maior dificuldade nas negociações é, segundo Corpas, a divisão entre os presos, que não têm liderança. Ontem, pelo menos 12 presos fugiram, dos quais cinco foram recapturados. A informação de que um PM mantido refém passou mal, e foi trocado por outro, não foi confirmada por Corpas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.