Presos da cadeia de Porto Feliz (SP) estão rebelados

Depois de uma tentativa frustrada de fuga, na tarde de sexta-feira, os 120 detentos da Cadeia Pública de Porto Feliz, no interior paulista, iniciaram uma rebelião que durou até final da noite, quando foram suspensas as negociações para continuarem na manhã deste sábado. Com capacidade para apenas 36 presos a cadeia tem todos os problemas decorrentes da superlotação. O prédio foi cercado por cerca de 40 guarnições de policiais militares daquele município e das cidades de Sorocaba, Itu e Tietê, que impediram os rebelados de chegar à rua, depois e abrirem um buraco numa parede.O único refém que os rebelados tentaram apanhar foi um carcereiro, mas ele escapou. Não conseguiu, porém, impedir que apanhassem sua arma. Dessa forma, armados, os detentos conseguiram alongar o tempo das negociações com o juiz da comarca de Porto Feliz, Jorge Pazeri, ameaçando matar outros presos ou mesmo disparar contra os que cercam a cadeia. Durante a rebelião foi ateado fogo em colchões, cobertores e outros materiais inflamáveis. Além dos policiais, estão de prontidão a Guarda Municipal e soldados do Corpo de Bombeiros.

Agencia Estado,

24 de junho de 2006 | 02h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.