Presos de Iaras e Avaré continuam rebelados e com 24 reféns

Os detentos das penitenciárias de Iaras e Avaré, rebelados deste a tarde de sexta-feira, 12, continuam amotinados e mantendo 24 reféns. Na Penitenciária 1 de Avaré, os presos estão usando ferramentas das obras de reforma do presídio para destruir as instalações. Eles mantêm 12 pessoas como reféns. Os 435 presos da Penitenciária de Iaras também mantêm 12 agentes penitenciários como reféns mas não há feridos, segundo informou a administração do presídio. Os amotinados não apresentaram uma pauta de reivindicações. A penitenciária tem capacidade para 792 presos.As rebeliões começaram ao mesmo tempo nas duas penitenciárias, na tarde de sexta-feira, 12. De acordo com informações de funcionários, as rebeliões foram ordenadas pelo seqüestrador Marcos William Herbas Camacho, o Marcola, principal líder do Primeiro Comando da Capital (PCC), que está preso em Avaré. O serviço de inteligência da Polícia Militar teria apurado e frustrado uma possível operação de resgate de Marcola. A assessoria de imprensa da Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) não confirmou essas informações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.