Presos do Rio driblam bloqueio de celular

O secretário de Administração Penitenciária do Rio, Astério Pereira dos Santos, identificou hoje um "lado positivo" na divulgação da informação de que traficantes presos no complexo penitenciário de Bangu estão se comunicando por meio de radiotransmissores. Segundo ele, é um sinal de eficiência dos bloqueadores de celular. "É uma evidência de que os bandidos estão buscando outras maneiras de se comunicar, com a instalação de bloqueadores em Bangu 1, 2, 3 e 4", informou a assessoria de imprensa do secretário.O jornal O Globo divulgou hoje diálogo de criminosos gravado por um operador de radioamador. O secretário acredita, segundo assessores, que "a criatividade dos criminosos para driblar obstáculos não tem limites". "Estamos em vigilância constante. A Coordenadoria de Inteligência do Sistema Penitenciário está rastreando as ligações com rádio transmissores."Santos colocou à disposição dos operadores de radioamador um telefone (21-3399-1392) para que entrem em contato e colaborem com as investigações. "O secretário não ficou chateado. Os bandidos vão continuar fazendo isso. Para você ter uma idéia, uma mulher tentou entrar em Bangu com dois celulares, um carregador e maconha na vagina", informou a assessoria de imprensa do secretário.Na gravação publicada pelo jornal, o criminoso, preso em Bangu 3, dá ordens a um cúmplice para comprar armas e pagar propinas a policiais. De acordo com a denúncia, provavelmente os detentos usaram um aparelho do tipo Yaeso SMD, de circuito miniaturizado. Esse equipamento seria pouco maior que um celular. O aparelho, à prova de bloqueadores, utilizaria freqüência UHF e VHF. O serviço de radioamador é concedido pelo governo a pessoas habilitadas e concursadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.