Presos em Cumbica traficantes a serviço da máfia nigeriana

Um holandês e um português a serviço da máfia nigeriana que atua no Brasil foram presos pela Polícia Federal, no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Cumbica, Guarulhos, com 15 quilos de cocaína. Os dois pretendiam embarcar para Paris nesta quinta-feira à noite com conexão em Londres, onde deveriam entregar a cocaína que estava escondida no fundo falso de duas malas. O holandês Ricardo Lambertos Reinaldo Althenaor, de 24 anos, e o português Paulo Jorge Pereira Dias, de 35, disseram aos agentes que haviam recebido a droga de um motorista de táxi. Os federais, com as informações dos presos, identificaram o taxista que também estaria trabalhando para os mafiosos nigerianos. A participação do motorista teria sido apenas a de entregar as malas com a cocaína e levar os dois para o Aeroporto de Guarulhos. Hospedados num flat da região dos Jardins, Althenaor e Dias disseram aos policiais que haviam sido contratados na Holanda. Receberam as passagens para São Paulo e as indicações de como deveriam agir no desembarque. Eles deveriam seguir para o flat onde a reserva da hospedagem fora feita pelos nigerianos. Ali iriam esperar por um telefonema para saber onde pegariam as malas com a cocaína e com quem. A volta para Paris estava marcada para a quinta-feira. Os dois foram autuados na Delegacia da Polícia Federal, no aeroporto, por tráfico internacional de drogas. A pena é de três a 15 anos. A máfia nigeriana mudou parte de sua estratégia para mandar cocaína do Brasil para o exterior. Continua contratando brasileiros para o transporte de cocaína em cápsulas no estômago ou na bagagem de mão. Mas desde o meio do ano passado estrangeiros começaram a ser contratados na Europa, principalmente na Holanda, para viajar para o Brasil e voltar com cocaína. A máfia paga passagem, hospedagem e de US$ 3 mil a US$ 5 mil. O delegado Antônio Wagner Castilho, da PF, disse que neste ano os federais apreenderam no aeroporto 193 quilos de cocaína, 100 mil pontos de LSD e prenderam 58 pessoas que pretendiam deixar São Paulo com cocaína: 45 estrangeiros e 13 brasileiros. Dólares falsos Também na noite desta quinta-feira, os federais prenderam no aeroporto de Guarulhos, a sul-africana Remole Tile Paula Kambule, de 24 anos, após o desembarque. Ela chegou da Colômbia e carregava numa maleta US$ 45 mil falsos. Remole disse aos policiais que pretendia utilizar os dólares para a compra de drogas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.