Presos explodem cadeia e não conseguem fugir em Serra Negra

Buraco aberto pela bomba era estreito demais e não permitia a passagem de uma pessoa

José Maria Tomazela, correspondente,

01 de maio de 2012 | 17h43

SOROCABA - Depois de usar explosivos para abrir um rombo na parede de uma das celas da Cadeia Pública de Serra Negra, a 142 km de São Paulo, os 26 ocupantes do xadrez tiveram uma frustração. O buraco aberto pela bomba era estreito demais e não permitia a passagem de uma pessoa. Nenhum dos presos conseguiu escapar. Inconformados, os detentos iniciaram um tumulto e a cadeia foi cercada pela Polícia Militar. A Polícia Civil trabalha com a hipótese de tentativa de resgate de algum preso. A cela danificada foi interditada e 21 detentos foram transferidos ontem para outras cadeias da região.

A explosão ocorreu no início da noite de segunda-feira (30), quando os presos voltavam do banho de sol. Apesar do barulho e da fumaça, ninguém se feriu. A cadeia tem capacidade para 24 detentos, mas abrigava 98 no momento do ataque. O estrondo assustou os três carcereiros e um segurança que estavam no local. A parede danificada fica ao lado do estacionamento da cadeia que funciona anexa a uma unidade da Polícia Civil. Uma motocicleta com as placas clonadas e as chaves no contato foi apreendida no local. A polícia acredita que o explosivo foi colocado do lado de fora na tentativa de um resgate dos presos. O local da explosão foi submetido à perícia.

Mais conteúdo sobre:
Serra Negraprisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.