Presos fazem 7 reféns em rebelião em Minas

Cerca de 70 presos da Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na região metropolitana da capital mineira, se rebelaram nesta sexta-feira e mantinham até as 20 horas sete pessoas reféns, de acordo com a Polícia Militar.Segundo a PM, os presos enrolaram os reféns em colchões embebidos com álcool e ameaçam queimá-los. Esta é a segunda rebelião no presídio em menos de 48 horas. A prisão foi inaugurada como sendo de segurança máxima. De acordo com a PM, o líder do motim, que teve início por volta das 13 horas, é o traficante Reginaldo Gleison Dias.Militares de vários batalhões e policiais do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) cercaram o presídio. Parentes dos presos disseram que ouviram disparos de armas de fogo dentro da penitenciária.À tarde, os presos escalaram o prédio e alcançaram o telhado, de onde se comunicaram com os familiares. Os detentos reclamavam de maus tratos.A Secretaria de Defesa Social informou que o motivo da rebelião seria a suspensão das visitas íntimas por causa da última rebelião, na terça-feira, quando quatro pessoas ficaram feridas, entre elas um agente penitenciário, que levou um tiro na cabeça e continua internado em estado grave.A rebelião começou quando a polícia tentou transferir o traficante Rogério Amaral dos Santos, o Rogerão, de 26 anos, para a Delegacia de Operações Especiais (Deoesp) da Polícia Civil. Na semana passada, o traficante fez ameaças a dois deputados da Comissão de Segurança da Assembléia Legislativa.Uma vistoria no final do mês passado encontrou no presídio armas, telefones celulares, uma churrasqueira, uma piscina de plástico e um freezer cheio de carnes. Nesta quinta-feira, Rogerão foi transferido para a Penitenciária Dênio Moreira, na zona rural de Ipaba, a 220 quilômetros de Belo Horizonte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.