Presos fazem rebelião no CDP de Suzano

Depois de terem sido controlados os motins nos presídios de Mirandópolis, Araraquara e Itirapina, os presos do Centro de Detenção Provisória (CDP) de Suzano, na Grande São Paulo, iniciaram uma rebelião na manhã de sexta-feira. Segundo o governo do Estado, o motim começou por volta das 10 horas e os detentos fizeram nove reféns entre os agentes penitenciários. O CDP abriga quase 800 detentos e, entre eles, há integrantes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). Foi confirmada a presença diretor do CDP de Suzano entre os cerca de 10 reféns em poder dos amotinados.A agitação no início do final de semana não ficou restrita ao sistema penitenciário. Na Capital, teve início às 11h30 de sexta uma grande rebelião no Complexo Tatuapé da Fundação para o Bem-Estar do Menor (Febem), na zona leste. Do total de oito unidades do complexo, seis estavam rebeladas por volta das 14h. Neste horário, a Febem ainda não tinha mais detalhes sobre o motim, que envolveu mais de 700 adolescentes do circuito grave.Segundo a assessoria de imprensa do governo do Estado, o governador Cláudio Lembo (PFL) está sendo mantido informado sobre os episódios. O secretário de Administração Penitenciária, Antônio Ferreira Pinto, não foi encontrado pela reportagem e sua assessoria não deu esclarecimentos sobre a rebelião em Suzano. Nenhum representante da direção da Febem havia se deslocado, até as 14h, para a Febem Tatuapé.Também chegaram ao fim na manhã deste sábado as últimas duas rebeliões das três iniciadas na sexta-feira por detentos das penitenciárias de Mirandópolis, Araraquara e Itirapina. O motim de Mirandópolis havia sido controlado na tarde de sexta-feira, mas os presos de Araraquara e Itirapina permaneceram rebelados durante toda noite.

Agencia Estado,

17 de junho de 2006 | 14h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.