Presos funcionários da ECT que desviavam correspondências

Agentes da Polícia Federal (PF) prenderam na madrugada de hoje, na Ilha do Governador, zona norte, cinco funcionários da Empresa de Correios e Telégrafos (ECT) que desviavam correspondências contendo valores. O desvio acontecia há meses e tinha como alvo principal cartas não registradas enviadas por brasileiros residentes no exterior. Presos em flagrante, os cinco homens responderão pelos crimes de peculato e formação de quadrilha, pelos quais poderão ser condenados a até 15 anos de prisão.Todos os presos trabalhavam como operadores de triagem e transbordo, e atuavam no Centro de Tratamento de Correio Internacional (CTCI), na Avenida Brigadeiro Trompovsky, próximo ao Aeroporto Internacional Tom Jobim. O CTCI chega a receber 200 toneladas de correspondência por dia. Por meio de um cerco na saída da Ilha do Governador, agentes da Delegacia de Prevenção e Repressão à Crimes Fazendários da PF detiveram os acusados.Durval Alex Dias Breves, de 32 anos, seu irmão, o ex-policial militar André William Dias de Lima, de 26, e Eniomar de Moura Moreira, de 28, foram presos a bordo de um Palio. Com eles, a polícia encontrou duas bolsas contendo centenas de cartas. Roberto de Oliveira Júnior, de 33 anos, e Rosalvo Vieira Gonçalves Júnior, de 32, foram surpreendidos pela PF dentro de um ônibus quando trasportavam duas sacolas também com cartas desviadas.A quadrilha roubava dinheiro e jóias não declarados aos Correios, o que evitava reclamações dos remetentes. A maior parte das cartas, segundo a polícia e a Inteligência da ECT, era enviada por brasileiros residentes no exterior como auxílio financeiro a parentes. A correspondência apreendida com a quadrilha será enviada para o Serviço de Criminalística, responsável pelo laudo pericial e apuração do conteúdo das cartas, cujo destino será decidido pela Justiça Federal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.