Presos golpistas que seqüestravam e roubavam vítimas

Com as prisões de Cláudio Adriano da Silva e de Gilberto Buriti, a Polícia Federal de Bauru começou a desmontar uma quadrilha que agia no eixo Jaú - Araraquara - Ribeirão Preto seqüestrando donos de empresas e proprietário rurais interessados em adquirir máquinas agrícolas. Os equipamentos eram oferecidos a preços vantajosos e, ao se apresentarem para a compra, os empresários eram rendidos e obrigados a entregar o dinheiro da transação ou fazer transferências para contas bancárias da quadrilha.Cláudio Adriano foi preso em Jaú, quando se encontrou com dois irmãos aos quais foi oferecido um trator. Antes que consumasse o seqüestro, os policiais o abordaram e começou a caçada dos demais membros da quadrilha. Com informações fornecidas pelo preso, seu comparsa Gilberto Buriti foi alcançado nas proximidades de Ribeirão Preto. Juntamente com sua mulher, foi trazido para a delegacia de Bauru, onde ele e Cláudio foram autuados em flagrante por formação de quadrilha e ela acabou liberada.Nesta terça, os policiais foram ao apartamento do casal, em Ribeirão Preto, onde apreenderam cadernos, agendas e outros documentos que servem de prova sobre a ação da quadrilha e indicam ser ela composta por oito homens. Os outros seis estão sendo procurados na região e também na capital do Estado.A Polícia Federal entrou no caso a partir da denúncia de três vítimas. Segundo relatos, as vítimas ficavam em poder da quadrilha por aproximadamente um dia, tempo suficiente para que entregassem o dinheiro ou providenciassem as transferências bancárias. Nesse tempo sofriam pressão psicológica e agressões. As investigações continuam em busca de outras possíveis vítimas e de integrantes do bando, que deverão responder a inquérito por formação de quadrilha, seqüestro e extorsão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.