Presos matam colega em rebelião em Alagoas

O traficante de drogas José Djaelson dos Santos, 35 anos, conhecido por "Salame", foi assassinado a golpes de espeto e teve o corpo queimado, junto com colchões, por volta das 8 horas da manhã de hoje, dentro do módulo "seguro" do presídio de segurança máxima Baldomero Cavalcanti, na periferia de Maceió. O assassinato aconteceu durante uma rebelião envolvendo cerca de 40 presos, considerados de alta periculosidade. Um dos presos que liderou a rebelião, identificado por "Val Tatuagem", disse que "Salame" foi queimado vivo em protesto contra as ?barbaridades? cometidas pelo diretor geral do Baldomero Cavalcanti, Hebeth Cezar. O secretário de Justiça de Alagoas, Tutmés Airan, esteve no local, ouviu os presos rebelados, atendeu suas reivindicações e demitiu o diretor geral do presídio. Só assim a rebelião foi controlada, no final da manhã. O coronel PM Erivan dos Santos assumiu interinamente a vaga de Hebeth Cezar, que negou as acusações dos presos contra ele - entre elas, a de ter ganho dinheiro para facilitar a fuga de Ozélio Oliveira, acusado de ser um dos seqüestradores de Wellington Camargo, irmão da dupla sertaneja Zezé de Camargo e Luciano. A polícia de Alagoas recapturou um dos três presos que fugiram do presídio São Leonardo junto com Ozélio, que continua foragido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.