Presos membros de quadrilha que dava golpe do carro usado

Após três meses de investigações, apolícia prendeu nesta quarta-feira dois integrantes de uma bem-estruturadaquadrilha de estelionatários responsável por diversos golpes nocomércio de compra e venda de carros semi-novos. O grupoutilizava uma tática pouco comum para enganar as vítimas,denominada como ´sonho dos enforcados´."Eles procuravam pessoas que estavam com dificuldades parapagar as prestações de um veículo semi-novo financiado. Pegavamo carro e prometiam vendê-lo para um novo proprietário, quepagaria as parcelas já quitadas e assumiria as parcelas querestavam do financiamento. Só que, em vez disso, osestelionatários falsificavam documentos de forma a não aparecera alienação do veículo, e revendiam o carro em feiras ouanúncios de jornal pelo valor de mercado", explicou o delegadoJorge Esper.A polícia chegou aos estelionatários por meio de uma vítimaque suspeitou do fato de o carro comprado - praticamente zeroquilômetro - possuir apenas uma chave. "A pessoa encontrou os dados do primeiro dono no manual doproprietário e telefenou pedindo a outra chave. Foi então queambos descobriram que haviam sido enganados e resolveram fazer aocorrência", contou o investigador responsável pelo casoSebastião Pereira.Após receber a denúncia, a polícia passou a investigar umnúmero de celular que o falso vendedor havia dado a uma dasvítimas, e acabou descobrindo o bacharel em Direito EdneiFrancisco Teixeira, de 29 anos, conhecido como Chico Cheque.O apelido se deve à função de Ednei na quadrilha. Ele eraresponsável pelas falsificações dos documentos e abertura decontas-fantasmas para recebimento dos pagamentos dos veículosvendidos. Na casa de Ednei, os policiais encontraram evidências que oslevaram até Samuel Fernandes dos Santos, de 43 anos, conhecidocomo Samuca. "Ele é procurado pela Justiça por crimes de rouboe furto de automóveis, e vem sendo fichado como ladrão de carrosdesde a década de 70", revelou o delegado.Na casa de Ednei, foram apreendidos um carro Focus e umapicape S-10. Para surpresa da polícia, Samuca também acaboudetido com uma picape S-10, idêntica à primeira encontrada. "Em alguns casos, a quadrilha recebia veículos como parte dopagamento. De posse do documento original, roubava algunsmodelos semelhantes e ´produzia´ dublês", relatou Esper.De acordo com o delegado, os bandidos prezavam a perfeiçãona clonagem dos carros. Além das placas idênticas, o bandoadulterava a numeração do chassi - tanto no motor quanto nosvidros - utilizando brocas de dentista."Levamos as duas S-10 ao Detran, e os fiscais garantiram queos veículos passariam despercebidos em uma eventual vistoria",apontou.A polícia pretende agora descobrir novas vítimas do golpe edesbaratar toda a quadrilha. "As investigações revelaram que aação é grande. O grupo possui ramificações por todo o territóriobrasileiro", garante o delegado Esper.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.