Presos na Bahia entram na era da Internet

Depois de oferecer cursos de aceleração escolar e segundo grau completo, a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos da Bahia implantou hoje na Colônia Penal Lafayete Coutinho a primeira escola de informática do sistema penitenciário brasileiro. Detentos que cumprem pena em regime aberto e semi-aberto vão poder aprender noções de informática em cinco computadores doados pela empresa Siemens, com orientação de professores da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia (Prodeb).A iniciativa faz parte do programa "Menos Presos, Mais Cidadãos" da Secretaria de Justiça cujo objetivo é qualificar os presos baianos para que eles possam enfrentar o difícil mercado de trabalho após a pena. "Nesse sentido sabemos que a informática é uma ferramenta imprescindível nos dias de hoje", explicou o secretário da Justiça Heraldo Rocha, informando que os 397 detentos da Lafayete Coutinho serão beneficiados. Desse total, 249 já freqüentam os cursos de aceleração e Segundo Grau oferecidos pela direção da colônia penal.As turmas de informática serão divididas em grupos de 11 presos, recrutados a partir de critérios como grau de escolaridade e bom comportamento. Os que se destacarem vão ser treinados para ensinarem aos outros presos. O acesso à Internet será restrita a sites de educação, ficando proibida as chamadas salas de bate-papo da rede mundial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.