Presos não conseguem fugir e se rebelam em Tatuí

Os 150 presos da cadeia pública de Tatuí, na região de Sorocaba, se amotinaram na madrugada de hoje, depois que uma tentativa de fuga em massa foi frustrada pelos carcereiros. Eles havia serrado as grades das celas, saíram para a área externa e estavam tentando cortar a grade que recobre o pátio quando foram vistos pelos dois carcereiros. As polícias civil e militar foram acionadas.Cerca de 40 policiais cercaram a cadeia. Os presos negaram-se a voltar para as celas e atearam fogo em colchões. Eles passaram a reclamar contra o excesso de lotação e a falta de medicamentos. Também alegaram que muitos presos estavam em situação irregular, pois tinham direito a aguardar julgamento em liberdade ou de ser transferido para um presídio. Eles destruíram a parte elétrica das celas, alegando que os fios estavam deteriorados e havia risco de incêndio. O motim durou cerca de seis horas. Diante da promessa de que as reivindicações seria atendidas, eles voltaram para as celas. O delegado Marcelo Murat reconheceu o excesso de lotação, pois a cadeia tem capacidade para 48 presos. Ele disse que o motim foi ocasionado pela prisão de um grande traficante na última sexta-feira. Os carcereiros tinham sido alertados sobre o risco de uma tentativa de resgate na cadeia. O bandido foi transferido para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Itapetininga.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.