Presos negam explorar jogo ilegal em depoimento no Rio

Os acusados Aílton Guimarães Jorge, o Capitão Guimarães, Aniz Abrahão David, o Anísio, e Antônio Petrus Kalil, o Turcão, foram os primeiros interrogados desta quinta-feira, 26, pela juíza Ana Paula Vieira de Carvalho, da 6° Vara Criminal Federal do Rio, e negaram as acusações que os levaram à prisão no último dia 13 na Operação Hurricane, da Polícia Federal. Segundo os advogados de Guimarães e Anísio, os três deram depoimentos semelhantes, argumentando não conhecer os magistrados envolvidos no suposto esquema de compra de sentenças. Eles também admitiram o exercício da contravenção no passado, mas negaram explorar jogos ilegais atualmente. Segundo o termo interrogatório, Guimarães disse ?que é agente financeiro, que trabalha com ações e é consultor nesta área?. Ele também admitiu que o sobrinho, Júlio Guimarães, é dono de uma casa de bingo, mas negou atuar no ramo ou ter possuído máquinas caça-níqueis. Anísio foi na mesma linha e disse que apenas aluga um imóvel em Copacabana para um bingo. ?Meu cliente foi muito bem, altivo e firme. O ônus da prova é do Ministério Público.Meu cliente será inocentado?, disse Nélio Machado, advogado de Guimarães, após três horas de interrogatório. Guimarães foi o primeiro a ser ouvido. Em seguida, Anísio e Turcão. Ubiratan Guedes, advogado de Anísio, disse que seu cliente também negou as acusações e disse à juíza que foi contraventor até a sua prisão em 1993. Desde então, disse, vive de investimentos financeiros e imobiliários. Segundo Guedes, Anísio ainda disse à juiza que gostaria de voltar a ser bicheiro se a atividade fosse legalizada. Advogados de Turcão não deram entrevistas. No termo interrogatório, o bicheiro disse não tem bingos ou caça-níqueis e que ?ainda trabalha com sua creche?. A audiência desta quinta-feira foi a primeira das sete previstas até o dia 7 de maio para o interrogatório dos 24 réus da ação penal que corre no Rio. Os que já foram interrogados podem acompanhar os depoimentos seguintes. Nesta sexta-feira, 27, serão ouvidos José Renato Granado Ferreira e Paulo Roberto Ferreira Lino, dirigentes da Associação de Bingos do Rio, e o sobrinho de Guimarães, o contraventor Júlio Guimarães Sobreira. Os advogados de Anísio e Guimarães informaram que ajuizaram pedido de habeas-corpus no Tribunal Regional Federal para que seus clientes respondam em liberdade. Nélio Machado reclamou da carceragem da PF em Brasília, que classificou de ?medieval?. Enquanto os três contraventores eram ouvidos, os outros 14 presos trazidos de Brasília tiveram de aguardar no ônibus que os transportou do Aeroporto do Galeão para o prédio da Justiça Federal. Segundo o advogado, eles permaneceram algemados nas poltronas. A Justiça Federal ofereceu um lanche. No final da tarde, os presos foram levados para o Batalhão Especial Prisional da Polícia Militar do Rio, em Benfica, na zona norte do Rio. Machado também é advogado do desembargador José Ricardo Regueira e afirmou que os R$ 119.146,37 que ele recebeu dos bingos de fevereiro de 1999 a dezembro de 2000, segundo denúncia do Ministério Público Federal (MPF), ?pode ser ganho de dinheiro com familiar, e provavelmente será?. Machado argumentou que a família - ?particularmente? a mulher do desembargador, a juíza federal Lana Maria Fontes Regueira, titular da 8.ª Vara Federal - ?freqüenta e gosta de bingo?. ?Isso é não é fato criminoso. Nunca foi ?, declarou o advogado. Segundo a denúncia do Ministério da Polícia Federal (MPF), no entanto, ?não é razoável acreditar que o denunciado, ou sua esposa, freqüentem quase que diariamente bingos e que ganhem, todos os dias, valores de tal monta que somados atinjam a elevada cifra de R$ 119.146,37?.

Agencia Estado,

26 Abril 2007 | 20h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.