Presos pedem ajuda para colegas com tuberculose

Os boatos de que os presos da Penitenciária Lemos Brito, na periferia da capital baiana, estariam promovendo uma rebelião, foram desmentidos no final da tarde desta quarta-feira pelo diretor da unidade, André Oliveira.Segundo ele, o que ocorreu foi a manifestação de um grupo de detentos, que pediu atendimento médico para vinte colegas, que sofrem de doenças crônicas, como tuberculose.Conforme Oliveira, a situação voltou ao normal por volta das 17 horas, quando um dos coordenadores de segurança da penitenciária recebeu o pedido dos presos e prometeu providenciar a assistência aos doentes. Maiorpenitenciária da Bahia, a Lemos Brito está com 1.200 condenados, 100 a mais que suacapacidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.