Presos PMs acusados de dar segurança a traficante

O governo do Estado do Rio determinou a prisão de policiais militares do 14º Batalhão (Bangu), acusados de atuar como seguranças no aniversário da filha de um dos traficantes mais procurados do Rio, Celso Luís Rodrigues, o Celsinho da Vila Vintém, há seis dias. O comandante da batalhão, coronel Roberto Penteado, foi exonerado do cargo. No último domingo, o Batalhão de Operações Especiais (Bope) recebeu denúncia anônima de que Celsinho estava num clube em Realengo, zona oeste da cidade, comemorando os 16 anos da filha. Quando os policiais chegaram lá, com o intuito de prendê-lo, encontraram dois carros do 14º batalhão, com pelo menos seis PMs, que estariam dando cobertura para o traficante. Celsinho teria fugido do cerco do Bope num desses carros. Os policiais que estavam atrás do criminoso chegaram a perseguir o veículo, mas o perderam de vista e só o encontraram horas depois, já dentro do batalhão. A Corregedoria Unificada da polícia está investigando o caso. Policiais do comando do 14º BPM, ouvidos pelo Estado, disseram que os acusados não trabalhavam para Celsinho e estavam no local fazendo policiamento de rotina. "Os carros não estavam nem perto do clube. Essa história partiu de alguém interessado em prejudicar nossa unidade, que tem combatido duramente o tráfico na região. Nunca houve tanta apreensão de drogas e armas como agora", afirmou, indignado, um PM que pediu para não ter sua identidade divulgada, com medo de represálias. Condenado a mais de 80 anos de prisão por tráfico de drogas, Celsinho da Vila Vintém é um dos fundadores da facção criminosa Amigo dos Amigos (A.D.A.). O Disque-Denúncia oferece R$ 50 mil por pistas que levem à sua captura. No ano passado, a Secretaria de Estado de Segurança Pública afastou 500 policiais do 14º BPM por suspeita de conivência com a quadrilha do bandido, que domina as favelas da área.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.