Erich Macias/A Gazeta
Erich Macias/A Gazeta

Presos por corrupção são recebidos com festa

Soltos no sábado, o governador do Amapá, Pedro Paulo (PP), e o candidato do[br]PDT ao Senado, Waldez Góes, participam de comício e carreata em Macapá

Alcinéa Cavalcante ESPECIAL PARA O ESTADO MACAPÁ, O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2010 | 00h00

Milhares de pessoas recepcionaram ontem o governador Pedro Paulo Dias (PP) e seu antecessor, Waldez Góes (PDT), candidato ao Senado no Aeroporto de Macapá. Os dois chegaram às 18 horas a bordo de um jatinho particular.

Coordenadores da campanha calcularam que havia 50 mil pessoas, mas o comando da Polícia Militar estimou a multidão em 20 mil. Ambos haviam sido presos pela Operação Mãos Limpas, da Polícia Federal, que deteve mais 16 pessoas no último dia 10.

Todos são acusados de corrupção ativa e passiva, peculato, lavagem de dinheiro, ocultação de bens, tráfico de influência, fraude em licitações públicas e formação de quadrilha. O esquema, segundo a PF, seria comandado pelo governador, candidato à reeleição, e por Waldez Góes.

Pedro Dias foi o primeiro a descer do avião. Waldez Góes, acompanhado da esposa Marília Góes, que também foi presa pela PF, saiu logo depois. Chorando, Góes subiu num trio elétrico, promovendo uma carreata até o centro da cidade.

Do aeroporto, Pedro Dias também seguiu em carreata para o comício na Praça Beira Rio, mas uma forte chuva desabou em Macapá. "É São Pedro me saudando e saudando o povo do Amapá", disse o governador. Dias - que passou oito dias presos na superintendência da Polícia Federal em Brasília - afirmou que o povo sabe da sua dignidade e do quanto ele quer o melhor para o Estado. "Não vou falar mais nada porque estou emocionado." Ele e Góes foram soltos no sábado

Não houve manifestações de protesto na recepção no aeroporto nem por onde a carreta passou nem durante o comício. Pedro Dias, que legalmente reassumiu o governo na hora em que desembarcou em Macapá, só vai hoje ao palácio do governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.