Presos que fizeram rebelião ficam sem colchões, diz Alckmin

O governador Geraldo Alckmin afirmou que não autorizará a reposição dos colchões queimados hoje pelos presos, na rebelião realizada no Cadeião de Pinheiros. "Preso tem que cumprir pena e não fazer rebelião e queimar colchões", afirmou.em visita a Tremembé "Quem não quiser cumprir pena, não cometa crimes". Segundo o governador, a partir de agora a Tropa de Choque da Polícia Militar entrará em todos os presídios onde houver rebelião, como ocorreu hoje no Cadeião de Pinheiros. Sobre o resgate de três presos do cadeia, que teria iniciado a rebelião, Alckmin disse que os cinco criminosos podem ter roubado os coletes da Polícia Civil que usavam no momento que invadiram a cadeia. "Se houve a participação de policiais, eles serão demitidos", garantiu. "Tudo será investigado".Em relação relação aos atentados a bomba em prédios da Justiça, Alckmin disse que se for uma forma de protesto de alguma facção criminosa para pressionar o governo, as ameaças podem continuar. Ele evitou citar o nome do Primeiro Comando da Capital (PCC), que pode ter sido o autor dos atentados. O governador visitou outras três cidades do Vale do Paraíba.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.