Presos quebram parede com marreta e fogem de cadeia em Mogi-Mirim

Dois presos fugiram do Centro de Ressocialização de Mogi-Mirim, usando uma marreta para abrir um buraco na parede, por volta das 22h30 de quarta-feira. Eles escaparam da cela, fizeram o buraco na parede do pavilhão e pularam um alambrado para fugir. Nenhum deles foi recapturado, conforme a Polícia Militar. A Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) abriu sindicância para apurar como os detentos conseguiram obter a marreta, quebrar a parede e fugir sem que ninguém notasse. Os fugitivos foram identificados pela Secretaria como David Júnior Andrade, de 24 anos, condenado por roubo, e Elenildo Alves Jacinto, de 37 anos, condenado por tráfico e acusado de roubo. Eles foram transferidos para o Centro de Ressocialização no final do ano passado, respectivamente em outubro e dezembro. Segundo a Secretaria, o local recebe detentos de baixa periculosidade e que apresentam bom comportamento. Os dois presos conseguiram deixar a cela sem danificá-la. Os policiais acreditam que eles improvisaram uma chave. Em seguida, foram aos fundos do pavilhão e, com golpes de marreta, abriram um buraco na parede, por onde passaram. Ainda pularam o alambrado para concluir a fuga. A Secretaria informou que nenhum agente percebeu a movimentação. Alegou que os presos podem ter furtado a marreta das ferramentas de manutenção. O Centro de Ressocialização de Mogi Mirim tem capacidade para 210 homens e abriga 217.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.