Presos queimam vivo suspeito de matar menina de 12 anos

Os detentos do presídio doMonte Santo, em Campina Grande, espancaram e queimaram até a morte, na madrugada desábado, José de Anchieta Lima, de 23 anos, suspeito de ter estuprado e assassinado a estudante Daiane Maria da Silva, de 12 anos. O corpo da adolescente, que estava desaparecida desde 12de junho, foi encontrado esta semana dentro de uma fossa, nosfundos de uma residência na zona rural de Campina Grande. Umhomem que morava de aluguel na residência foi o acusado de matara menina e esconder o corpo (os médicos legistas ainda avaliamse ela foi estuprada). O cadáver foi encontrado peloproprietário da casa, que iria fazer um reparo na fossa naausência do inquilino. Preso, o acusado foi levado para o presídio e colocadosozinho numa cela. Durante a madrugada, porém, os demaisdetentos iniciaram uma revolta, queimaram colchões, conseguiramsair das celas e chegar ao suspeito da morte da menina. Eles olevaram para o pátio do presídio, onde o lincharam com paus epedras e o queimaram.Multidão tenta invadir UML para esquartejar corpo de José de Anchieta LimaUma multidão tentou invadir a Unidade de Medicina Legal de Campina Grande no início da tarde deste sábado para resgatar o corpo de José de Anchieta Lima. Do lado de fora da UML, as pessoas gritavam que queriam levar o corpo de Anchieta para destroçar e espalhar os pedaços em plena via pública.A situação ficou tensa e a tropa de choque da Polícia Militar foi chamada par conter os ânimos. Só duas horas após a chegada da multidão à UML a situação foi contornada, com a transferência do corpo de José de Anchieta para o Instituto de Medicina Legal, na capital, João Pessoa. Matéria alterada às 14h45

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.