Presos rebelados em Teresópolis ateiam fogo a colchões

Presos rebelados na carceragem da 110.ª DP, em Teresópolis, no Rio de Janeiro, atearam fogo aos colchões e roupas no fim da manhã desta quarta-feira, 25. Eles estão rebelados desde o começo da noite de terça-feira, 24. Esta é a primeira rebelião do governo Sérgio Cabral Filho (PMDB), que tomou posse em janeiro de 2007. Por conta do incêndio, bombeiros entraram na delegacia e conseguiram controlar as chamas, mas ainda não havia informações sobre feridos. A juíza da Vara Criminal de Teresópolis, Daniela Barbosa, disse que ainda nesta quarta vão ser transferidos 20 presos, entre eles os quatro que lideraram a rebelião. Eles serão levados para a Polinter do Rio. "A situação está sob controle. Só estamos aguardando a colaboração dos detentos. Não há mortos e não há feridos" afirmou a juíza. A rebelião começou às 19h30 de terça, quando um grupo de presos tentou fugir e foi contido pelos policiais. O prédio foi cercado e, ao recuarem, os detentos fizeram refém o chefe da carceragem, Robson Almeida da Silva, e tomaram as duas armas dele, uma pistola e um revólver. Durante a madrugada, foram disparados pelo menos sete tiros, mas a polícia não confirmou mortes. Três presos foram espancados por criminosos de uma facção rival, eles foram levados, ainda na madrugada, para o Hospital das Clínicas de Teresópolis. Um quarto detento passou mal, foi atendido e levado para o hospital. Os presos reivindicam o fim da superlotação. A delegacia tem 162 homens na carceragem, cuja capacidade é para cerca de 60 detentos.

Agencia Estado,

25 Abril 2007 | 12h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.