Presos rebelados liberam 7 de 11 reféns

Os 89 presos rebelados da Cadeia Pública de Rondonópolis, a 210 quilômetros de Cuiabá, sul de Mato Grosso, liberaram, no final da tarde, 7 dos 11 reféns - quatro menores infratores e três mulheres de detentos. Até o começo da noite outros quatro menores continuavam reféns. A rebelião começou por volta das 11 horas de domingo, durante o horário de visita. Os menores feitos reféns foram transferidos para a cadeia, no sábado, porque a única Delegacia da Infância e Adolescência da cidade foi inundada, em conseqüências das chuvas de sexta-feira.Uma comissão de negociação, formada pelo Juiz da Vara de Execuções Penais, Pedro Pereira Campos Filho, o delegado da Infância e da Adolescência, Geraldo Magela, o diretor da cadeia, Aníbal Costa Marques, e pelo capitão da Polícia Militar, Paulo Ribeiro, discute com os rebelados a liberação dos reféns.Pela manhã, o Corpo de Bombeiros esteve na cadeia para controlar um princípio de incêndio. Os presos puseram fogo nos colchões e arrebentaram cadeados das celas. Com capacidade para 120 presos, a cadeia abriga 220 detentos.Os presos reivindicam a revisão de penas, revisão de processos, melhoras na alimentação e a transferência de 26 presos para a penitenciária da Mata Grande, considerada de segurança máxima. O comandante do 6º Batalhão da Polícia Militar de Rondonópolis, coronel Denézio Pio da Silva, informou que os presos prometiam, para as próximas horas, libertar os últimos reféns. Até o começo da noite, o juiz Pedro de Campos Filho não havia decidido o local para onde serão transferidos os 26 detentos. Segundo a secretaria, já foram liberados M.P.P, de 17 anos; A.S.C, 17; A.J.F.B, 17; e A.B.S, 15, além das três mulheres de presos - Sueli Silva Cordeiro, Isaura Maria Alves, Maria Dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.