Presos rebelados mantêm 5 reféns em Maceió(AL)

Desde às 16h de sábado, os 500 detentos que superlotam o Presídio de Segurança Média Baldomero Cavalcante, em Maceió(AL), fazem reféns cinco pessoas, entre elas quatro integrantes da Associação Pastoral Carcerária, ligada a Igreja Católica. Francisco Torres, presidente do Conselho Penitenciário, também está em poder dos amotinados. A rebelião teve início quando homens da Pastoral Carcerária ainda faziam trabalho de educação com os presos, que queimaram colchões e arrancaram portões de ferro.No início da madrugada deste domingo, os rebelados decidiram que só irão liberar os reféns na segunda-feira. O secretário de ressocialização, coronel Aurélio Rosendo e um representante da Comissão de Direitos Humanos da Seção de Alagoas da Ordem dos Advogados do Brasil(OAB/AL), Narciso Fernandes, negociam o fim do motim e confirmaram que não há feridos nem mortos. Cerca de 50 pessoas aguardam do lado de fora o resultado das negociações que, segundo informações da polícia, acontecem em clima de tranqüilidade.Os presos querem a saída de um dos diretores de disciplina. Eles reclamam ainda das revistas nas celas, que acontecem duas vezes por semana. Na revista de sexta-feira foram apreendidas facas artesanais. Por volta das 20h30, o clima ficou tenso no presídio, que foi tomado por policiais acionados para tentar conter o tumulto. Eles estavam munidos de máscaras de proteção e bombas e spray de efeito moral.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.