Presos recusam comida em Londrina

Cerca de 200 presos da Prisão Provisória de Londrina, no norte do Paraná,estão realizando uma greve de fome desde o meio-dia de ontem. O diretor da prisão, delegado Valdir Fernandes, disse que a situação está controlada, porque todos estão nas celas. Somente foram canceladas as visitas marcadas para hoje. Quatro presos, considerados líderes do motim, devem ser transferidos.Segundo Fernandes, os presos são divididos em duas alas. Ontem, os da ala par retornaram do banho de sol e não deixaram os "presos de confiança" fechar os cadeados das celas, o que é feito antes de os agentes penitenciários entrarem no local. Depois de conversar com eles, o delegado conseguiu que todos entrassem nas celas, que foram trancadas com o auxílio da tropa de choque da Polícia Militar.No entanto, os presos das duas alas decidiram protestar recusando os alimentos. Segundo Fernandes, os presos estão pedindo que as duas alas tomem banho de sol juntas. "Não posso colocar 200 presos no pátio, que é pequeno", afirmou o diretor. Além disso, os quatro líderes do movimento querem escolher os presos que vão trabalhar na faxina e cuidar dos corredores. "Não podemos entregar a prisão na mão deles", disse Fernandes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.