Presos são executados dentro de hospital em BH

Dois presos foram executados a tiros no início da madrugada desta quinta-feira dentro do Hospital Pronto Socorro de Venda Nova,na zona norte de Belo Horizonte. De acordo com a Polícia Militar, quatro homens encapuzados e armados invadiram o hospital edois deles assumiram o controle da portaria. Outros dois entraram na unidade de emergência e renderam os dois agentespenitenciários que faziam a escolta do detento Luiz Carlos Rodrigues da Silva, de 38 anos, que se recuperava de uma intoxicaçãoalimentar. Ele foi atingido por seis tiros na cabeça. Os homens encapuzados passaram então a procurar por Luciano Ferreira da Silva, 18 anos, suspeito de assalto, que havia sidopreso ontem, após trocar tiros com policiais. Ele foi baleado no confronto e aguardava para ser submetido a uma cirurgia.Um cabo da PM, identificado apenas como Maia, que fazia a segurança do suspeito, também foi rendido e teve que entregar aarma. Luciano levou três tiros na cabeça. Familiares, que não quiseram se identificar, informaram que ele estava sendoameaçado de morte por policiais. O presidente do Conselho Comunitário de Saúde do Pronto Socorro de Venda Nova, Celso de Oliveira, afirmou que já haviasolicitado reforço no policiamento do hospital, o que ocorreu apenas no período diurno.?Durante a noite nós não temos segurança nenhuma aqui e isso aí pode voltar a acontecer amanhã se não for tomada nenhumaprovidência?.A direção do HPS de Venda Nova informou que a arma roubada do policial militar foi deixada na portaria pelos autores doscrimes. Até o início da tarde,nenhum suspeito havia sido preso. A ocorrência foi encaminhada para a Delegacia deHomicídios. O capitão Walter Anselmo, comandante da 13.ª Companhia do 14.º Batalhão da PM, disse que a corporação instaurouum procedimento administrativo para apurar os crimes. Vingança ? Na madrugada do último domingo, um caso semelhante ocorreu na capital mineira. O desempregado ErnandesTeixeira de Paiva, de 23 anos, levou dois tiros quando estava deitado numa maca, na sala de raio-x do setor de politraumatizadosdo Hospital de Pronto Socorro João XXIII. Ele se preparava para ser operado. O carcereiro aposentado Marco Túlio Prataconfessou o crime, alegando vingança. Segundo ele, horas antes, Ernandes teria baleado seu filho, o estudante de direito VinícioPrata Neto, 19 anos, em uma suposta tentativa de assalto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.