Presos são transferidos para Bangu 1

Os oito traficantes que estavam no Batalhão de Choque da Polícia Militar, no centro da cidade, e no Comando do Policiamento do Interior (CPI), em Niterói, foram transferidos na manhã de hoje de volta ao presídio Bangu 1, que, segundo o governo do Estado, já oferece condições de segurança máxima. A unidade, destruída pelos presos durante a rebelião de 11 de setembro, foi reformada, e conta com sistema de bloqueio de celulares, circuito interno de TV, vidros à prova de bala nas salas de visitas dos advogados e celas com portas reforçadas.Voltaram para Bangu I Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, Márcio Nepomuceno, o Marcinho VP, Márcio Antônio Pereira da Silva, o Mighty Thor, Márcio Silva Macedo, o Gigante, e Marcos Marinho dos Santos, o Chapolim, que estavam presos no Batalhão de Choque. Eles foram os líderes do motim no presídio.Elias Pereira da Silva, o Elias Maluco, principal acusado do assassinato do jornalista Tim Lopes, e Marcos da Silva Tavares, o Marquinho Niterói, que teria ordenado o fechamento do comércio na Região Metropolitana do Rio no dia 30 de setembro, também foram transferidos. Celso Luís Rodrigues, o Celsinho da Vila Vintém, que estava detido no CPI, foi levado às 5 horas para o Batalhão de Choque para de lá seguir para Bangu.O comandante-geral da Polícia Militar, coronel Francisco Braz, disse que a transferência foi decidida na sexta-feira à tarde, depois que o sistema de bloqueadores de celular, instalado em Bangu 1 há duas semanas, foi testado com sucesso. ?Não houve nenhum problema no teste. A tecnologia é de ponta. As estruturas estão perfeitas e estamos com policiais novos. Agora, eles (os traficantes) vão ficar isolados e bem seguros. Considero que lá (em Bangu 1) fecha-se o ciclo da segurança?. Braz contou ainda que os presos serão vigiados por câmeras, assim como acontecia no Batalhão de Choque.A transferência, que começou às 6 horas, durou 45 minutos, segundo o comandante. Foram mobilizados cerca de 60 policiais em 20 carros. O trânsito na Avenida Brasil foi fechado para garantir a segurança do comboio e evitar tentativas de resgate. O horário foi escolhido porque o tráfego é menos intenso aos sábados. A operação, que, segundo informou a Secretaria de Segurança Pública na semana passada, poderia acontecer a qualquer momento, foi desencadeada depois que a polícia recebeu denúncias de que criminosos tentariam resgatar os presos do Batalhão de Choque, possivelmente nos próximos dias.Segundo o corregedor geral, Aldney Peixoto, criminosos da Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) estariam planejando libertar Fernandinho Beira-Mar e traficantes de várias favelas da zona norte agiriam para libertar os demais. A informação foi confirmada pelo comandante Francisco Braz. ?Ameaça sempre houve, mas no mesmo momento em que se quer instaurar o terror, há muita coisa que não tem sentido. De qualquer forma, segurança é prevenção e temos que estar bem preparados?.Segundo o governo do Estado, a reforma em Bangu começou assim que os traficantes foram retirados da unidade, há 43 dias. O sistema do circuito interno de TV foi reativado depois de oito anos sem uso e vidros à prova de bala foram colocados nas salas onde os detentos recebem as visitas dos advogados. Além disso, as celas foram reformadas e pintadas e as portas foram reforçadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.