Presos serram grade de cela e fogem a pé de cadeia em Maceió

Gerente-geral do presídio Cyridião Durval acredita que agente penitenciário estava dormindo na hora da fuga

Ricardo Rodrigues e Fabiana Marchezi, O Estado de S.Paulo e estadao.com.br

11 de novembro de 2008 | 12h13

Cinco reeducandos fugiram correndo, na madrugada desta terça-feira, 11, do presídio Cyridião Durval, na periferia de Maceió. Eles serraram as grades do módulo sete da unidade e fugiram a pé em direção aos conjuntos habitacionais existentes no entorno do complexo penitenciário, que fica vizinho ao campus da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), no bairro Tabuleiro dos Martins. Segundo a Intendência Geral do Sistema Penitenciário (Igesp), dois dos cinco fugitivos foram recapturados. Três presos estão sendo procurados.   Os homens que continuam foragidos são Valmir Araújo da Silva, de 26 anos, Marcos Roberto da Silva, de 28, e José Cícero Dionísio dos Santos, de 27 anos. Todos são considerados de alta periculosidade. Uma sindicância será instaurada para apurar como se deu a fuga e se houve facilitação. Segundo a assessoria da Intendência Geral do Sistema Prisional, o gerente-geral da unidade, capitão André Dias, acredita que no momento da fuga o agente penitenciário que deveria estar vigiando o módulo estava dormindo.   A Comissão de Sindicância terá o prazo de 30 dias - a partir da publicação em Diário Oficial do Estado - para concluir a apuração. Os detentos cumpriam pena por furto, roubo, formação de quadrilha e porte ilegal de arma.   Os agentes penitenciários de Alagoas estão em greve há três meses, reivindicando reajuste salarial e melhores condições de trabalho. O governo do Estado acusa a categoria de radicalismo e pediu a ilegalidade da greve, mas esta semana a Justiça declarou a legalidade do movimento. Porém, não há nenhuma reunião marcada para a retomada das negociações entre as partes.   Texto atualizado às 17h22 para acréscimo de informações

Tudo o que sabemos sobre:
fugapresídioMaceió

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.