Presos só poderão ser liberados por juiz

Os secretários da Administração Penitenciária, Nagashi Furukawa, e da Segurança Pública de São Paulo, Marco Vinicio Petrelluzi, disseram que a partir de agora nenhum preso será liberado de penitenciárias, Casa de Detenção, cadeias e distritos policiais sem autorização de um juiz. "Não adianta seqüestrar familiares de diretores, funcionários ou de delegados, que não vai se repetir o que ocorreu em Araraquara", avisaram. Em entrevista nesta segunda-feira, os dois afirmaram que as orientações sobre a liberação dos presos, "em qualquer circunstância", já foram repassadas aos responsáveis pelos presídios e cadeias no Estado. "A saída dos condenados deve ser com todas as cautelas, e o que aconteceu no interior de São Paulo atropelou todas as normas existentes", explicou Furukawa. A polícia continua a investigar para saber quais pessoas teriam conhecimento do plano de libertação dos presos. Márcio Henrique Evaristo, um dos liberados e apontado como um dos chefes do Primeiro Comando da Capital (PCC), deixou a penitenciária na companhia dos cúmplices, falando num celular, quando deveria ser transferido do presídio nesta terça-feira. "Todos esses detalhes serão esclarecidos no inquérito da polícia e no processo administrativo da secretaria", adiantou o secretário. Furukawa foi informado do seqüestro horas depois da libertação dos criminosos. "Eles deveriam ter comunicado o que estava acontecendo no momento em que Pereira soube que dominaram sua família, mas fiquei sabendo somente na manhã de domingo, e isso não pode e não deve acontecer."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.