Presos soltam refém da Detenção de Benfica

Rebelados há mais de 36 horas, os presos da Casa deCustódia de Benfica, na zona norte do Rio, soltaram um refém às 19h10: o PM reformado Paulo Henrique Rodrigues, de 63 anos, que também faz parte da cooperativa. Os presos resolveram liberá-lo porque ele sofreu umataque cardíaco e foi levado para o hospital Miguel Couto.Pouco antes, a polícia informava a morte do agente penitenciário Marco Antônio Borgati, de 43 anos, que foi baleado nas costas e morreu em seguida. Outras 21 pessoas continuaam em poder dos detentos, alguns deles amarrados em botijões de gás.O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa do Rio (Alerj), deputado Geraldo Moreira (PSB), queacompanha as negociações para o fim da rebelião, contou que Borgati foi empurrado pelos amotinados e caiu no chão, diante dacomissão de negociadores. Em seguida, eles atiraram no agente com uma escopeta. Isso aconteceu justamente no momentoem que o fim da rebelião era discutido.Os internos chegaram a disparar até mesmo contra o grupo de negociadores, entre eles o subsecretário estadual de DireitosHumanos, Paulo Baía, e o subsecretário operacional da Secretaria de Segurança Pública, delegado Paulo Souto. Eles saíramcorrendo e não foram atingidos.O presidente do Sindicato dos Servidores de Justiça, Paulo Ferreira, deu outra versão: ele disse que Borgati foi alvejado aotentar fugir.As negociações foram interrompidas por volta das 18h30 e a polícia parecia ainda não ter informações concretas sobre o que se passava dentro do presídio. Autoridades e detentos devem voltar a negociar a partir das 8 horas de amanhã.O motim começou no sábado, com a fuga de 14 presos e 9 feridos entre detentos e carcereiros. Os fugitivos estavam armados e roubaram quatro carros na fuga.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.